A LINGUAGEM DO NOSSO CORPO

Cláudia B. S. Pacheco, Extrato do livro

“A Cura pela Consciência – Teomania e Estresse”

Nosso organismo fala tudo o que tentamos esconder. Muitas vezes, “pensamos” de uma forma irracional. Temos uma ideia sobre algo e, na realidade, sentimos o contrário. A inversão mostra-se através do nosso corpo, quando nos recusamos a conscientizá-la.

 

Uma paciente de 34 anos, solteira, que veio de família pobre e pais muito doentes, após algum tempo de análise, conseguiu evoluir a ponto de reunir recursos para comprar seu próprio apartamento.

No dia em que foi visitar sua nova moradia com o corretor, percebeu que o negócio era-lhe acessível. Saiu exultante de alegria, mas,
após algumas horas, teve uma forte diarreia. Ao analisar o fato, associou o novo apartamento a desenvolvimento, bem-estar e segurança.
“Racionalmente” ela queria muito realizar, fi nalmente, seu sonho, mas, pelo processo de inversão, ela sentia pavor de tudo o que associou ao apartamento (progresso), revelando uma fi el obediência à patologia (ao mal-estar, ao atraso, à insegurança). Tendo percebido isso sua diarreia passou em seguida.

Associação de ideias Outro paciente, o rapaz L. A., de 17 anos, contou, numa sessão, que, depois de um mês de análise, não tinha mais aftas constantemente como antes, nem sonolência, pigarro e caspas. Pedi que fi zesse associações de idéias com esses sintomas e ele respondeu o seguinte:

• às caspas, ele associou sujeira;
• às aftas, dor;
• à sonolência, preguiça;
• finalmente o pigarro (catarro), ele associou à chatice.

 

O doente não tem a percepção clara do que está fazendo e, quando se conscientiza da armadilha, que armou para si mesmo, consegue uma espantosa recuperação em pouco tempo.

 

Na realidade, o processo analítico levou o jovem L.A. a conscientizar todos esses aspectos em sua vida psicológica, o que ocasionou sua melhora. A sujeira das caspas — revelava a sujeira interior que não queria perder (seus maus pensamentos; intenções e atitudes).
A dor era resultado de uma atitude autodestrutiva, de ataque a si mesmo. A sonolência mostrava o quanto era preguiçoso e não queria
admitir. Finalmente, confessou que retirava muito prazer em chatear e agredir os outros.

Outro caso interessante, foi o da cliente S. E., que se dizia sexualmente frígida em relação a seu marido. Inicialmente disse que gostaria muito de ter um bom entrosamento sexual. Com o tempo, foi admitindo que imaginava que seu marido retirava muito prazer da relação, e que ela sentia ódio.

Após as relações sexuais, sequer permitia que ele a tocasse, e evitava ao máximo qualquer aproximação dele, dizendo sentir dores etc. Na
realidade a S. E. sentia muito inveja de qualquer satisfação que seu marido retirasse da vida, inclusive do sexo. Ela preferia privar-se de satisfação, mas se com isso conseguisse sabotar o prazer do seu marido, dava-se por satisfeita.

Aliás, isso é muito comum ocorrer em pessoas que estão sempre doentes — são invejosos que preferem se sacrifi car, mas tentar estragar a vida de quem está a sua volta. E se notam que não estão conseguindo, sua inveja fi ca mais exacerbada, o que lhes desperta profundo
ódio. Daí surgem afi rmações rancorosas como: “eu estou doente, sofrendo, e você nem se importa”, “enquanto eu estava presa a uma
cama, doente e sofrendo, meu marido vivia saindo e se divertia com os amigos”.

Invejosos preferem se sacrifi car para estragar a vida de quem está a sua volta.

A pessoa não nota que ela própria está se causando aquele terrível sofrimento, privando-se da alegria e da vida, por causa de uma inveja muito forte. Culpa o marido e os filhos por não se submeterem a sua intenção de estragar a vida de todos.

O doente não tem a percepção clara do que está fazendo e, quando se conscientiza da armadilha, que armou para si mesmo, consegue
uma espantosa recuperação em pouco tempo.

 

Gostou deste conteúdo? ajude-nos a compartilhar esta página
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

• Usamos cookies para garantir que oferecemos a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que está satisfeito com ele. Política de Privacidade

• We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue to use this site we will assume that you are happy with it. Privacy Policy

Open chat
Need help?